Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Laboratórios > Laboratório de Estudos Sobre Trabalho e Ditadura – LETRAD
Início do conteúdo da página

Laboratório de Estudos Sobre Trabalho e Ditadura – LETRAD

Publicado: Terça, 23 de Abril de 2019, 11h48 | Última atualização em Terça, 23 de Abril de 2019, 12h33 | Acessos: 353

Foi criado no âmbito do Curso de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) a partir da necessidade de aglutinar e promover o diálogo entre os diversos pesquisadores que vinham realizando atividades tanto na graduação quanto na Pós-Graduação. Tais pesquisas deram origem a monografias, trabalhos de Iniciação Científica e dissertações de mestrado e foram se avolumando,  o LETRAD desenvolve três linhas de pesquisa de (Trabalho e trabalhadores no pós-30, Trabalhismo e populismo no Brasil e Ditadura, autoritarismo e repressão no Brasil e na América Latina),  modo que a criação do grupo, em julho de 2017, foi uma consequência natural do desenvolvimento do trabalho e serviu como um mecanismo para consolidar essas pesquisas, promover a integração entre os diversos pesquisadores e impulsionar a realização de novos trabalhos sobre a temática. A divulgação dos resultados das pesquisas já pode ser verificada a partir da participação em diversos eventos como o XXIX Simpósio Nacional de História (ANPUH/Brasília), a III Jornada de História do Trabalho na Amazônia (Belém/PA) e a I Jornada de Debates em História: Fontes Históricas, Memória e Justiça do Trabalho (UFAM). A temática e o recorte temporal proposto têm sido relativamente pouco explorados pela historiografia regional que acaba por priorizar períodos anteriores, como a chamada Belle Époque. Ademais, o grupo vem constituindo um acervo bibliográfico e documental para alicersar as pesquisas dos interessados pela temática. É necessário ainda ressaltar que a importância de se realizar uma profunda reflexão sobre autoritarismo, política e ditadura ganha uma dimensão de enorme atualidade em virtude do contexto político no qual estamos inseridos, quando observamos velhos esqueletos saindo dos armários e percebemos uma disputa de memórias sobre o período de 21 anos em que o país viveu sob uma Ditadura Militar.

Fim do conteúdo da página